Fechado!

João Távora assinou, na sexta-feira, este post para fechar a recente polémica envolvendo o texto de Abel Matos Santos sobre co-adopção. Na verdade, não fechou, porque a discussão continuou na caixa de comentários do meu último post sobre o tema

"João Távora a 25 de Maio de 2013 às 14:18
Caro Rui: Como referi no blog Jugular, se citar autores é plágio então estamos conversados… é que para mim plágio é não os citar, fazendo nosso aquilo que não é. Abel Matos Santos sempre referiu as fontes.
Aliás, conseguiu um feito inédito, deu-vos dois estudos que apoiam a co-adopção e que vocês nem conheciam tal é a vossa capacidade de pesquisa e argumentação. E vocês todos contentes logo viram uma oportunidade para o atacar dizendo que ele tinha dito coisas diferentes desses artigos!

Cordeais cumprimentos,"
"João Távora a 27 de Maio de 2013 às 16:46
Falhou a referência às fontes no artigo do Público, o que é lamentável de facto. Mas não isso não retira crédito à substância tratada."

Ora, eu nunca aqui acusei Abel Matos Santos de plágio. Quem o fez, na verdade, foi a Shyznogud, a Ana Matos Pires, o Paulo Pinto e, na minha caixa de comentários, o próprio João Távora. E é apenas esse facto que justifica que abra esta excepção. É que eu já tinha dado o debate por terminado, como deixei claro no meu post, ao desconsiderar a validade científica do texto de Abel Matos Santos. Eu tive oportunidade de demonstrar que o conteúdo do texto que Abel Matos Santos assina no Público e no corta-fitas não é originalmente seu e, também, que o seu verdadeiro autor não tem credibilidade científica. 

 

O João Távora afirma que o texto de Abel Matos Santos constitui plágio e até qualifica o episódio de lamentável "25 de Maio: Como referi no blog Jugular, se citar autores é plágio então estamos conversados… é que para mim plágio é não os citar, fazendo nosso aquilo que não é. Abel Matos Santos sempre referiu as fontes., 27 de Maio: Falhou a referência às fontes no artigo do Público, o que é lamentável de facto." São palavras suas e eu tendo a concordar.

 

Infelizmente, Abel Matos Santos ainda não referiu, até à data, A FONTE do seu texto. Nem no post que o João Távora assina no corta-fitas, nem no jornal Público, o que considero lamentável, partilhanho o mesmo espírito com que comentou o meu post no dia 27 de Maio. E não dá muito trabalho fazê-lo, basta escrever algo como "Texto de Rick Fitzgibbons adaptado e traduzido de http://www.mercatornet.com/articles/view/same_sex_adoption_is_not_a_game".

 

Mas enfim, o João já lamentou o plágio, nem tudo está perdido. Já só lhe falta:

 

1º clarificar, nos posts que assina (este e este) (até fazê-lo põe em causa a sua boa fé e a sua honestidade neste debate), A verdadeira e única referência à fonte do artigo de Abel Matos Santos.

 

2º perceber que o autor do texto original, sendo um profissional sem credibilidade, ignorado pelos pares e que recorre a práticas condenadas pelos restantes profissionais do sector não dá crédito à substância dos seus textos. O João Távora pode continuar a concordar com o Rick Fitzgibbons e a defender as suas opiniões. O que não pode é garantir que essas opiniões são sustentadas e credenciadas cientificamente.

 

Nunca foi minha pretensão fazê-lo mudar de opinião, mas antes quebrar a ilusão que o seu amigo Abel Matos Santos lhe criou de que essa opinião era sustentada pela ciência.

publicado por Rui C Pinto às 19:18 | link | indultar