"uma opção de modo de sociedade"

Hugo Soares, presidente da JSD, votou contra a lei de co-adopção por homossexuais. Votou, de acordo com a sua consciência, numa matéria a que foi dada liberdade de voto aos deputados do PSD. Divugou, no seu mural do facebook, uma nota de esclarecimento onde se penitencia pela aprovação da lei e onde faz votos para que a lei não seja aprovada em votação final global. Defende que a actual lei não defende o superior interesse da criança que vai contra aquela que é a sua "opção de modo de sociedade" e não se sente mandatado para a aprovação de tal lei. 

 

Vamos por partes. Primeiro, a "opção de modo de sociedade" por que se orienta Hugo Soares na sua actuação política nunca foi escrutinada pelo eleitor, pelo que não se deveria sentir mandatado a exercer o seu cargo de deputado. Segundo, esta questão nunca foi debatida, como bem reconhece, na JSD devido à constante recusa em debater questões sociais sob pretexto da premência da crise económica e financeira, pelo que deveria ter optado pela abstenção. Terceiro, fazer votos para que a lei venha a ser rejeitada em votação final global é revelador de uma total falta de solidariedade parlamentar para com os seus pares quer do PSD quer da JSD (Joana Barata Lopes) que votaram favoravelmente a lei, o que justificaria uma postura de debate construtivo na especialidade. 

 

Resta-nos indagar quanto à "opção de modo de sociedade" de que fala Hugo Soares, que não coloca em causa "a defesa dos direitos dos homossexuais" que lhe são "evidentes e indiscutíveis". Ora, o Hugo defende indiscutivelmente os direitos dos homossexuais, mas defender os direitos de uma criança que é criada no seio de uma família constituida por um casal de homossexuais é um pouco mais difícil, pois colide certamente com a sua opção e modo de sociedade. 

publicado por Rui C Pinto às 15:06 | link | indultar